quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Na estrada: Toro !


Reunião de trabalho com os nossos congéneres da Denominação de Origem TORO em Castilla Y Leon.

Toro é uma denominação bem diferente da nossa. Sita a leste de Bragança, no vale do Douro espanhol, é uma região de clima continental produtora sobretudo de tintos à base da casta Tinta de Toro com 78% da produção. Fazem algum branco, com Malvasia e Verdejo mas sem expressão quantitativa. Têm cerca de 6.000 hectares de vinha ( Vinho Verde temos aprox 25.000 ) e cerca de 40 adegas engarrafadoras ( no VV temos 600 ).

Investem muito na promoção da sua região e não pudemos deixar de registar que em Toro as análises de certificação dos vinhos são suportadas pelo governo regional de Castilla ( cá são pagas pelo produtor ) e que o marketing é parcialmente suportado também pelo governo regional. Cá enviamos anualmente 1 milhão de euros em taxas para Lisboa e pouco vemos de volta... ( o leitor possivelmente não sabe mas no vinho são as regiões que suportam a administração central do Ministério )

A equipa gestora da região é dinâmica, pelo que vamos preparar projectos conjuntos. Sendo uma região continental e de tintos, é um parceiro interessante para acções de promoção conjuntas com os nossos Vinhos Verdes no mercado internacional. A ver...

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Estatística: exportações

Exportações de vinhos portugueses até Junho deste ano. Um bom mapa elaborado pelo Instituto da Vinha e do Vinho com base em dados do INE,

Clique aqui para abrir o mapa.

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Vinho Verde: vendas em Outubro

( clique na imagem para aumentar )

As vendas até Outubro comparadas com igual período dos anos anteriores.

No branco estamos um pouco acima do ano passado, cerca de meio milhão de litros. Como verá em textos próximos, é um resultado ancorado nas exportações que estão muito fortes e beneficiam já do facto de os nossos principais mercados estarem a sair da crise. Iremos fechar 2010 como o maior ano de sempre nas exportações de Vinho Verde.

As vendas de tinto são merecedoras de muita reflexão.

O rosado está a crescer. O Vinho Verde é já nº 2 nas vendas de rosé em Portugal. À nossa frente ( inalcançável ? ) o Mateus.

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Vinho Verde: stocks em Outubro


Cá estão os stocks no fim de Outubro. Já incluem os resultados dos primeiros manifestos. No que diz respeito ao branco, o aumento de disponibilidades não é especialmente preocupante, mesmo que somado com o stock de mosto branco. As vendas estão sólidas e, como se verá nas próximas semanas, houve em 2010 um aumento de produção na lavoura mas não em várias empresas e adegas de referência, pelo que não estaremos de modo nenhum numa situação de sobre oferta.

Não assim quanto ao tinto, cujas vendas não estão de modo nenhum brilhantes. É urgente fazer chegar ao viticultura a mensagem do que está a ter mercado e o que não está.

É preocupante ver como algumas realidades claras do mercado tardam em chegar ao viticultor . Todos os actores da cadeia de valor têm de fazer chegar ao primeiro elo desta cadeia aquilo que o último, o cliente, nos diz. Continuamos a ver produtores orgulhosos de obterem maturações riquíssimas, quando o mercado hoje pede claramente vinho com menos álcool. Não faz sentido pagar a uva acima de um determinado valor. O produtor tem de se vocacional para maximizar a produtividade dentro de padrões de qualidade sem ter como prioridade apenas a criação de álcool.

Por outro lado, como perceber que se continue a plantar tanto tinto quando é manifesto que temos um excedente neste segmento ? Porque não concentrar o tinto apenas nas regiões com maior potencial para estes vinhos ? E é um excedente estrutural que não se resolve com campanhas nem com produção de aguardente. Os excedentes de tinto vão ser um problema sobretudo para o sector cooperativo. A ter em conta.

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Vinho Verde em época de manifestos III

Ponto da situação na recepção dos manifestos até hoje.

ESTATÍSTICA
Até hoje entraram cerca de 24.000 DCP's. Ainda entrarão mais algumas até 31/12.

QUANTO VINHO TEMOS ?
Prognósticos de facto só no fim do jogo. Mas podemos apontar em geral para uma produção algo contida, superior à de 2009, mas o aumento pode não chegar aos 10%

ÁREAS, CADASTROS, BRANCO E TINTO
Continuam a aparecer problemas de áreas que estão a ser tratados. Leia p.f. o texto colocado abaixo, na data de 27 de Outubro.

No caso dos produtores com maiores áreas, há 61 que ainda não actualizaram os respectivos cadastros. Nos casos de Resende, o número de áreas actualizadas é ainda bastante baixo.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

A crise Australiana


Ninguém, deve viver bem com os mal dos outros, mas será que os factores da crise Australiana podem ser os nossos factores de sucesso ? nomeadamente a relação cambial Euro/UDS ?

Leia mais aqui. Até para quebramos aquela ideia de que a Austrália é um país maravilhoso que faz vinhos perfeitos e onde os produtores andam de Porsche Panamera de casa para o emprego.

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

O Dão renova-se


Toma hoje posse a nova Direcção da CVR Dão, Presidida pelo conhecido economista e ex- Ministro da Agricultura, Arlindo Marques da Cunha. A Direcção inclui ainda Rui Ribeiro ( comércio - Caves Arcos do Rei ) e António Mendes ( produção - Mangualde ).

Arlindo Cunha, viticultor no Dão ( marca Ladeira da Santa ) e possuidor de um currículo excelente, encontra uma região com enorme potencial e onde muito pode ser feito para tornar o vinho do Dão num criador de riqueza exportadora e postos de trabalho.

A anterior Direcção dedicou muito tempo ( hesito em usar o termo "perdeu" ) à tentativa de criar uma entidade certificadora comum com a Bairrada e a Beira Interior, a qual infelizmente se frustrou. O DOC Dão representa cerca de 4,5% de quota de mercado Nielsen em Portugal, tendo porém sólidos mercados de exportação com potencial.

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Dados Nielsen: retalho em Novembro



Saiu o boletim Scantrends de Novembro, bem como o índice de confiança do consumidor. Ambos recheados de informação útil mas de alguma preocupação. O consumo doméstico parecia estar a sair de um período negativo mas claramente para lá voltará nos próximos meses.

No que diz respeito às bebidas, ainda dois apontamentos: em coerência com o sucedido nos períodos anteriores, aumentam as vendas das marcas dos distribuidores e diminuem as marcas dos produtores.

Por outro lado, no que diz respeito aos canais, confirma-se a ideia de que este período de crise vai ser duríssimo para o comércio tradicional. Tendo como prioridade abastecer-se a preços competitivos, com variedade de escolha, o cliente está a reforçar as compras na distribuição moderna, sobretudo nos supermercados, em detrimento do pequeno comércio. Não se retira deste boletim, mas claramente são as redes de supermercados de desconto que estão a ganhar quota.



Já não é a primeira vez que cito aqui dados NIELSEN, que certamente custaram muito a elaborar, pelo que se justifica uma referência à Nielsen Portugal, que vale a pena conhecer clicando aqui. Para obter a versão completa do boletim Scantrends e outras publicações, consulte a Nielsen.

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Consuma com moderação !



Temos esta campanha na TVI e em vários canais de tv-cabo há algumas semanas já.

Como gente do vinho, sabemos que o alcoolismo e o consumo excessivos são nosso adversários. O vinho é um produto de cultura. Importa conhece-lo e valoriza-lo.

Esta campanha agrupou uma equipa cheia de energia: além da CVRVV, a Prevenção Rodoviária Portuguesa que agarrou o desafio desde o primeiro momento, a Opal e a equipa de criativos da Quioto que fez milagres em poucos dias !

A campanha não seria porém possível sem o apoio do Instituto da Vinha e do Vinho. Este instituto gere um fundo comunitário de apoio a campanhas vocacionadas para a informação do consumidor de vinhos, formando-o para um consumo responsável e necessariamente moderado. As campanhas anteriormente realizadas nesta linha eram vocacionadas para o sector dos vinhos, formando sobretudo os próprios agentes deste sector. Esta campanha colocava pois um novo desafio: falar directamente ao cliente. E pela primeira vez uma região demarcada Portuguesa veio a público recomendar moderação no consumo de vinhos.

Sim, por que o Vinho Verde festeja o que de melhor a vida nos dá. Pela positiva e por isso com moderação !