sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Finanças: inscrição dos viticultores






Terminou hoje o prazo para os viticultores declararem início da sua actividade de produção e venda de uvas nas Finanças.

Por impopular que seja, devemos afirmar que a medida no fundo é correcta: todas as actividades produtivas devem ser registadas e, se for caso disso, podem ser tributadas. O que tinhamos até hoje é que muitos pequenos produtores transaccionavam a sua produção sem rastreabilidade fiscal.

Note-se também que haver documentação e diferente de haver tributação. Há aliás isenções previstas para pequenos produtores seja a nível fiscal, seja das obrigações contributivas para a segurança social.

Não se compreende, é certo, a forma absolutamente atabalhoada como a medida foi anunciada, implementada, adiada, adiada e outra vez adiada.

Ainda vamos estar num periodo de adaptação. Há produtores que até hoje não se inscreveram, e vão descobrir isso mais tarde quando receberem as multas e há outros que, tendo-se inscrito, só mais tarde também irão descobrir as consequências que a facturação tem na sua situação fiscal, rendimentos, etc. Vamos andar dois anos com esta adaptação.
 
Tenhamos porém consciência de que, sobretudo no centro e norte do país, esta alteração é uma mudança de fundo. Já este ano assistimos a alterações no registo de exploradores de vinha, um movimento que se manterá. Admito também que haja algum abandono sobretudo em produtores mais pequenos, verdedeiramente sem dimensão de negócio. É uma tendência que nas Declarações de Produção deste ano já foi muito clara.

De algum modo é o fim de uma época. Passemos pois à seguinte sem demora.

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Vinho Verde: o fecho de 2013 em stocks

Fechamos 2013 com um stock ligeiramente inferior ao do ano passado.A vindima foi desigual, primeiro de muito boa qualidade até começar a chover e depois um pouco prejudicada.


Verifique no quadro acima os valores da vindima, ligeiramente superior à de 2012, a introduzir alguma estabilidade no mercado mas manifestamente sem encher os stocks. O investimento no reforço da estutura produtiva, a melhoria da viticultura é claramente uma necessidade estratégica de toda a região, muito para além de ser uma produção deixada apenas do lado dos agricultores.

De algum modo é uma situaão feliz, somos uma região onde não há um excedente estrutural, mas o nosso desenvolvimento está claramente limitado pela capacidade produtiva.

Em baixo os stocks a 31 de Dezembro.

Clique na imagem para aumentar