segunda-feira, 19 de outubro de 2015

Exportações até Agosto

Clique na imagem para aumentar
Dados do INE/Intrastat. São provisórios e por isso a analisar com cautela. O INE introduz correcções ao longo do tempo. Da experiência que temos, os dados de volumes são muito robustos, mais do que os valores, que terão correcções mais profundas.

Em termos globais,a tendência é positiva, crescemos em volume, 8% mas sobretudo em valor, 14%.

Os mercados  porém comportam-se de forma distinta. Muito bem nos EUA onde continuamos a crescer, mais em valor. menos bem na Alemanha, onde os números são sempre influenciados pelos contratos dos grandes hipermercados. Menos bem no Brasil e Angola, onde a macro economia aterrou.

Quanto à França, só tenho um comentário. Quando entrei nos vinhos em 1992, era vox populi que o mercado Francês ia acabar na segunda feira seguinte porque os emigrantes iam acabar e os filhos nunca comprariam vinho português. Os factos falam por si. Pode ser um mercado de preço, com uma distribuição difícil, sempre "torpedeado" por negócios paralelos mas é, continuará a ser um mercado muito forte.

Nota: as tabelas em que baseio os artigos estão sempre disponíveis na página internet da CVRVV mas se lhe faltar algum dado,não hesite em me contactar directamente.

quinta-feira, 15 de outubro de 2015

Vinho Verde: vendas até Setembro

Clique na imagem para aumentar

Finda que está a vindima, um ponto da situação nas vendas. O branco comporta-se exactamente como se anunciava.Teve um início de ano bastante forte mas foi nivelando em quantidades fruto da escassez de oferta. Vamos fechar o ano com melhores preços mas sem aumentos de volume, até possivelmente com uma ligeira redução.

Os dados mais recentes da Nielsen indicam que estamos há três anos a melhorar ligeiramente nos preços médios no mercado nacional. Um bom sinal. Saibamos em 2016 aproveitar a vindima que tivemos para manter valor e aumentar os volumes.

Clique na imagem para aumentar

O tinto e o rosado não brilham. Os problemas do tinto são antigos. Lançamos nesta vindima um projecto de investigação com vários produtores para identificarmos novas vias para o tinto. Vamos a ver os resultados.

Em paralelo, sei que vários produtores de referência vão lançar tintos inovadores esta vindima. É um optimo sinal que nos pode apontar novos rumos.

O rosado parece ter encontrado um patamar em 2015. Estranho. Temos de analisar. O potencial é enorme mas o consumidor, sobretudo o nacional, tem um errado preconceito contra os rosados.

Clique na imagem para aumentar

Grande ano das castas. Nem há comentário a fazer, os números já dizem tudo. Grande ano. A posicionar-se acima do vinho de lote ( a locomotiva do negócio ) as castas afirmam-se como o segmento de valor. Bem mais do que as sub-regiões aliás pois as castas têm realmente personalidade enquanto as subregiões, sendo embora úteis para explicar a região, são comercialmente irrelevantes na maior parte dos casos. Um assunto a ponderar.

terça-feira, 6 de outubro de 2015

Stocks, vendas e preços


No fim dos jogos há sempre quem diga que sabia do resultado desde o início. E na vindima deste ano será o mesmo, vai aparecer sempre quem diga que sempre soube que ia haver muito mais uva.

A verdade porém é que a vindima foi bem mais generosa do que muitos esperávamos e, naturalmente há que gerir tendo em conta as realidades que mudam todos os dias e não com cenários estáticos.

Não se justifica pois uma enorme apreensão que vejo em alguns colegas com uma suposta escassez e inflação no mercado de granel. Passo a explicar.

( refiro os brancos e tenho em conta médias dos últimos 4 anos ). 

A região vende anualmente algo próximo de 48 milhões de litros, a que acrescem uns 6 aproximadamente que é o que se perde sobretudo em desclassificações e um pouco também em correcções de contas,varejos, etc.

Temos pois que a nossa necessidade de abastecimento é de 54 milhões de litros ano, já fazendo a conta com tolerância. Ora este ano vamos ter 62/63 milhões de branco - pelo menos - a que acrescem 20 milhões de branco que estavam em stock à boca da vindima.

Ora face a isto, falta vinho onde ?

A vindima de 2016 não foi fácil para a região por vários motivos. E porém é uma vindima cheia de boas notícias: temos uvas fabulosas que nos vão dar grandes vinhos, remuneramos bem estas uvas, temos capacidade de resposta em stock para aumentar as vendas.

Dediquemo-nos pois ao que verdadeiramente interessa; valorizar a região e os vinhos, impulsionar a viticultura e falar para o cliente. Sobretudo falar para o cliente, pois que este será um ano em que teremos excelentes vinhos para lhe propor.