domingo, 1 de janeiro de 2017

2017

É das regras da aceitabilidade nas redes sociais que se devem publicar fotos de gatinhos fofos ou fotos pessoais que bradam sucesso e beleza. "Não vou por aí"

O dia acordou fresco mas de sol ameno, já caminhei um pouco.

Ao contrário do que aqui escrevi em anos anteriores,  encaro o próximo ano com muita apreensão.

No país, certo que que a estabilidade política é um activo, não vejo porém que o governo tenha, no actual apoio parlamentar, o apoio de que precisará para tomar as medidas difíceis que serão inevitáveis e que hoje metade do país desconhece e a outra metade nega. O problema do financiamento externo é brutal, está por resolver e não se vislumbra solução fácil. O crescimento económico não apareceu em 2016 e não vai aparecer em 2017. Vale-nos o turismo que está muito forte e que assim continuará, beneficiado é certo pelo temor de viajar para fora da Europa. A menos que Portugal seja também atingido.

No plano externo, haverá alguma certeza? Como vai ser a presidência Trump? O Fillon ganha em França? Passaremos a ter dois governo de direita nos dois grandes europeus. O que mudará na UE em consequência?  Em Março começam formalmente as negociações do Brexit. E o BCE reduzirá mesmo a compra de dívida como previsto? A ser assim como se financiará o nosso país?

Normalmente escrevo os textos desta página e penso um pouco antes de publicar.

Não neste. Sai em bruto, directo do instinto.

Antecipo que 2017 vai ser um ano duro. Preparemo-nos para ele como quem sai de casa em dia de temporal. Trabalhemos com afinco, façamos uma gestão prudente, reduzamos a exposição ao risco.  E nunca percamos a ambição de fazer mais e melhor.

Bom ano!